sábado, 21 de abril de 2012

Engrenagem fluida

O mundo possui sua própria engrenagem
E gira em um único sentido
Modificar sua mobilidade de percurso
Alavanca uma possibilidade do desconhecido

A nova abordagem não muda seu andamento
A sabotagem muda somente seu sabotador
A alteração não está no que concerne seu movimento
E sim na transformação do seu catalisador

O que subverte os olhos
Desconstrói os subterfúgios da mente
Isola os sentidos para sentir melhor
E se torna fluido para escorrer
E absorver concomitantemente

3 comentários:

Dy disse...

"O mundo possui sua própria engrenagem
E gira em um único sentido
Modificar sua mobilidade de percurso
Alavanca uma possibilidade do desconhecido"

Poderíamos remeter esse trecho, como descritivo à pessoas, como um geral do ser humano...

Luís Gustavo Brito Dias disse...

- todos nós evoluímos; até mesmo os seres mais inertes e morosos, galgam, milimetricamente, à a evolução.
isolar os sentidos é, na minha compreensão, uma conseqüencia da transformação do ser [do catalisador].
é impressionante como é nítido o que você disse a respeito da ação e reação,

"A nova abordagem não muda seu andamento
A sabotagem muda somente seu sabotador
A alteração não está no que concerne seu movimento
E sim na transformação do seu catalisador"

de fato, o que somos reflete. e, tudo que reflete, quando alcança o destino, modifica-se e revolve.

grande abraço, querida Larissa.
Como sempre, um prazer lê-la,

aline disse...

'O que subverte os olhos
Desconstrói os subterfúgios da mente [...]'

que belezura de versos. lembrei de: longe dos olhos, perto do coração. vá entender.

Licença Creative Commons
Blog de Larissa Bello é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Unported.