quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

Houve uma vez...

Foto de Adriana Glackin
Houve uma vez que o conto de fadas almejou cruzar as fronteiras de sua própria ficção. Desejou poder saltar das páginas e transformar a abstração do mundo encantado de suas palavras em uma realidade mais palpável e concreta. Após algumas tentativas, percebeu que adentrar naquele universo, estaria literalmente, fora do seu alcance. A força de sua inércia estava diretamente ligada aquilo que nutria sua existência fantasiosa. 
Conformado, se contentou em apenas observar de dentro de sua capa dura o inalcançável mundo que o cercava. Eis que um dia algo estranho aconteceu. Notou que por entre suas entrelinhas alguém o observava com uma intrometida curiosidade. E mesmo já ciente de sua própria história, era a primeira vez que reparava a infinidade sinestésica contida na sua narrativa. Percebeu cheiros, cores, formas táteis e paladares. Tudo isso estava adormecido por uma memória inapta de acessar recordações do que ali sempre esteve escrito. E agora estavam sendo despertas, na medida que olhos alheios as percorriam. 
Ao final da leitura vertebral do conjunto de letras que formavam a espinha dorsal de sua acepção literária, compreendeu que para extrair o verdadeiro significado internalizado no campo invisível da descoberta, era preciso que ele, quanto conto, fosse folheado e absorvido por aqueles seres falantes e andantes. Só assim ele poderia se autopersonificar e finalmente fazer parte daquele mundo que tanto almejava. Constatou também que, uma vez acionadas, guardaria para sempre as sensações impressas em suas páginas. E que o ponto final da última linha seria apenas um terno suspiro, até o momento em que novos olhos atravessariam as veias de suas laudas, agora ávidas e preparadas, para reviverem continuamente o contentamento sublime de cumprirem o reconhecimento de sua própria reconexão.

"Some day you will be old enough to start reading fairy tales again" C. S. Lewis

4 comentários:

Jorge Leandro disse...

Ótimo texto. Belo na sua construção. E valioso na sua mensagem.

Fred Caju disse...

DAS FADAS

As fadas,
Com suas varinhas de condão
E seus pós brancos
Transmutam e exorcizam
Todo o mal e sua
Horda.
As fadas que habitam
Nos contos
São iguais a vocês:
As fadas são foda!


Valmir Jordão

LauraAlberto disse...

acho que o Fred disse tudo

as fadas são iguais a todas nós...

beijinhos

Fábio Murilo disse...

Mas Jesus chamou a si as crianças e disse: “Deixem vir a mim as crianças e não as impeçam; pois o Reino de Deus pertence aos que são semelhantes a elas”. Lucas 18:16-17.

Imaginativo, feito um bom conto de fadas.

http://apoesiaestamorrendo.blogspot.com.br/

Licença Creative Commons
Blog de Larissa Bello é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Unported.